sábado, 2 de dezembro de 2017

Crónicas de Bruxelas: 8 - Trânsito

Aspecto do trânsito na cidade de Bruxelas.
Foto: F Cardigos

Os belgas, dizem-me, são muito dedicados à família e às actividades realizadas em conjunto dentro do seio familiar. Entre as actividades privilegiadas contam-se a realização de diversos desportos, o usufruto da natureza, as prolongadas refeições que contam diversos pratos intermediados por longas conversas, a prática religiosa (católica) e a bricolage. Interessa-me aqui particularmente a bricolage porque, segundo a minha teoria, não comprovada, este interesse tem uma ligação directa com grande parte da realidade belga, incluindo o trânsito.
Bruxelas é uma cidade extraordinária, como tenho vindo a relatar nestas crónicas. Há inúmeros pontos fortes e, como não poderia deixar de ser, debilidades. O trânsito é, sem sombra de dúvida, um dos factores que mais ensombra a vida em Bruxelas e com consequências tremendas. O tráfego é de tal forma intenso que resulta em níveis de poluição que já valeram à cidade admoestações por parte da Comissão Europeia. Sim, não é apenas Portugal que recebe reprimendas da Comissão Europeia, as razões é que são diferentes… Os níveis de poluição são tão severos que nos andares mais baixos do edifício em que trabalho é proibido abrir as janelas durante a tarde, para evitar as consequências nocivas para a saúde dos trabalhadores. Por sorte, eu trabalho “num modesto primeiro andar a contar vindo do céu”, para citar uma conhecida música portuguesa.
O trânsito nas horas de ponta é infernal e, não compreendo porquê, não há acções consequentes por parte do município que alterem este estado de coisas. Os transportes públicos são muito razoáveis e circulam dentro do horário estabelecido. Quer dizer… os motoristas de autocarro não têm qualquer noção das distâncias necessárias para acelerar ou travar, o que resulta em alguns dissabores, mas nada de muito grave.
Voltando à linha de raciocínio.
As permanentes obras contribuem para o caos automobilístico. Desde prédios totalmente funcionais que são destruídos e reconstruídos no mesmo local e com a mesma tipologia, a rearranjos de arruamentos, obras e obretas, sem qualquer nexo aparente, até a obras de manutenção realmente essenciais, tudo polvilha a cidade de Bruxelas de tapumes, guindastes e obriga a restrições e reorientações do tráfego. Penso eu, esta tendência dos belgas de transformar o ambiente construído que os rodeia é a extensão para o nível do Estado do seu gosto pela bricolage. Da pequena obra na cozinha e a jardinagem de final de semana passamos à detonação de prédios e tudo lhes parece natural... Não é!
Se os transportes públicos são muito razoáveis e o trânsito é um pequeno inferno, o que falta para as pessoas abandonarem os seus veículos privados em casa e passarem para os transportes públicos? O que falta para que os carros que têm realmente que circular o possam fazer de forma fluída? Penso que apenas se resolverá este problema com o regrar destas obras que emprestam a cada dia uma novidade que afunila e atrasa a circulação e exaspera cada condutor. Ao mesmo tempo, terão de realizar-se acções fortes que limitem o número de viaturas, especialmente nos dias em que a meteorologia favorece a concentração de poluentes, tal como acontece em diversas cidades da vizinha França e da distante China, apenas para dar dois exemplos. Quando isso acontecer, a maioria dos cidadãos da cidade de Bruxelas irá finalmente conhecer os seus transportes públicos e ficará alegremente surpreendida.

Entretanto, diz-me um colega, “tive de mudar de casa!”. O médico disse-lhe que os níveis de poluição no seu bairro central não são compatíveis com a fragilidade da sua saúde pulmonar. Por esta e por outras razões, entre as quais o terem espaço para as suas actividades de bricolage, muitos belgas moram já fora da cidade de Bruxelas, o que contribui ainda mais para o trânsito infernal quando diariamente se deslocam para os seus empregos. Conclusão, ou se faz alguma coisa rapidamente em relação ao trânsito em Bruxelas ou pode correr muito mal…

domingo, 26 de novembro de 2017

Crónicas de Bruxelas: 7 - Roménia


Delta do Danúbio, entre a Roménia e a Ucrânia.
Foto: F Cardigos

É evidente que a saudade da família e dos amigos, a distância ao mar e às confortantes referências pessoais são factores que pesam, mas há algumas vantagens em viver grande parte do tempo deslocado longe de casa e no centro da Europa. Uma delas é a facilidade de aceder a muitos países e, desta forma, conviver com culturas diferentes e outras formas de ver o mundo. Seja por razões de trabalho ou aproveitando um final de semana mais comprido, é frequente os habitantes de Bruxelas cruzarem fronteiras e experimentarem a diversidade europeia.
Na última semana estive na Roménia, mais precisamente em Constanta, tendo brevemente passado por Bucareste. Constanta é uma cidade costeira do Mar Negro, em que uma parte significativa dos seus 350 mil habitantes presta serviços a um dos grandes portos europeus. Há diversas universidades generalistas com campus em Constanta e duas escolas superiores, uma pública e outra privada, totalmente dedicadas à marinharia.
Estive em Constanta para participar num congresso internacional sobre o Mar Negro. O meu objectivo principal era compreender um pouco mais quais as soluções para um espaço marítimo que está sob uma enorme pressão em termos de exploração e poluição e mesmo militar. Não se vivem tempos fáceis no Mar Negro. Essencialmente por haver um evidente distanciamento político entre a Rússia, por um lado, e a Ucrânia, a União Europeia e a Turquia, por outro, não há nenhuma opção milagrosamente fácil. O caminho será espinhoso e tortuoso. Outra coisa não seria de esperar depois da anexação da Crimeia... No entanto, como quase sempre acontece quando os desafios são elevados, há um conjunto de pessoas dedicadas que tentam encontrar saídas para situações que são, sem dúvida, muito complicadas. Assim, notei que as pessoas com quem falei querem encontrar caminhos equilibrados, tendo em conta os aspectos geopolíticos, os relacionados com as pescas, com os transportes marítimos e com a poluição oriunda das indústrias costeiras.
Fora do congresso, em Constanta, vi pessoas acolhedoras, empenhadas nas suas profissões e curiosas em relação ao seu futuro e à vida integrada na União Europeia. Fazendo em alguns aspectos lembrar Portugal a meio dos anos 80, as duas cidades que visitei, Bucareste e Constanta, estão a entrar rapidamente num modo de vida assente na propriedade privada e na competição, mas ainda assente numa estrutura e organização com nítidas reminiscências do período comunista. Vemos instalações eléctricas desajustadas do mundo desenvolvido e novas empresas a ocupar espaços em prédios envelhecidos e pavilhões decadentes, alguns, aparentemente, à beira de ruir a qualquer momento. No entanto, aquilo que mais me fascinou foi a vida. As pessoas estão optimistas e dinâmicas, com uma energia que faz inveja à indiferença e ao cinzentismo que vemos em outros pontos da Europa.
A certo ponto, decorreu, como normalmente, o jantar formal do congresso. Depois de terminadas as entradas, fiquei surpreendido por a música ambiente estar tão alta. Olhei para a pessoa que estava sentada ao meu lado, o responsável pelo organismo científico que ajuda a determinar as possibilidades de pesca no Mar Negro e Mediterrâneo, e disse-lhe que, infelizmente, dado o barulho, não conseguíamos falar. Ele olhou-me, riu-se educadamente e perguntou-me “mas quem é que quer conversar?!”. Ia ficar ofendido, mas percebi de imediato o que ele queria dizer. Todos os participantes locais já estavam no espaço central da sala a dançar e a pular, contagiando os restantes a integrar as danças romenas, gregas e búlgaras. Foram pacientemente explicando aos estrangeiros cada um dos passos, mas sem qualquer preocupação com o sucesso dos seus esforços. Eles queriam dançar e queriam que todos participassem, sem qualquer preocupação com os aspectos estéticos do resultado final. O ideal para desastrados da dança como eu. No entanto, tudo aquilo foi evoluindo ao longo do jantar e, depois da sobremesa, enquanto se esperava pelo café já se ouvia e dançava, imagine-se, heavy metal… Eu vi septuagenários a dançar música do grupo Paulista “Sepultura”. Inacreditável…
Para os que conhecem, imaginem um filme do Sérvio Emir Kustirica em que um conjunto de pessoas corre alegremente pela cidade, contagiando tudo e todos, e uma incansável banda de música os segue atrás. É isto. Na Roménia, durante o dia, todos são sérios e empenhados, mas, quando o sol se põe (e talvez isso explique parte das histórias da Transilvânia), há uma saudável transfiguração para pessoas cheias de vida e transbordantes de energia!

No avião de regresso a Bruxelas, conheci um camionista Romeno que voltava ao seu trabalho no norte da Europa, mais precisamente à Noruega. Depois de conversarmos um pouco, diz-me ele que “a Noruega é muito organizada, mas se eu tivesse uma proposta de trabalho na Roménia a ganhar um quarto do que ganho em Bergen, mudava já e sem hesitação”. Depois de três dias na Roménia, sinto que consigo entende-lo perfeitamente. 

domingo, 12 de novembro de 2017

Crónicas de Bruxelas: 6 - A boa música

Música de rua em Bruxelas.
Foto: F Cardigos

Era um jovem quando pela primeira vez estive numa cidade em que, no mesmo final de semana, havia mais de uma centena de concertos musicais gratuitos. A cidade era Bruxelas e o evento chamava-se então "Rally du Jazz". Ao caminhar pelas ruas de Bruxelas nesses dias, íamos ouvindo diferentes sons que escolhíamos ouvir durante mais tempo ou passar à frente. As melodias que a cada esquina se adivinhavam transmitiam emoções diversas. Entre o que se gostava e o que não se gostava, entre o que já se conhecia e o que se descobria, as vibrações eram muito positivas. Para mim, que, como a maioria dos jovens dos países do Sul, não tinha grandes recursos económicos, era uma forma de, adicionalmente, entrar em muitos dos espaços habitualmente pagos de Bruxelas. É que todos os concertos eram estritamente gratuitos.
Os músicos vinham dos quatro cantos do mundo, embora muitos fossem belgas e, diga-se, bons. A esse título conto uma pequena história. Um destes dias estive num concerto de uma banda musical da qual não sabia absolutamente nada, tirando o nome. Uns amigos desafiaram-me e lá fui eu para o que poderia apelidar de "blind concert". Gosto do conceito. Os "El Juntacadaveres", assim se chamava a banda, tocavam música de inspiração sul-americana e eram muito razoáveis. Gostei. Chegado o momento de apresentar os músicos, o vocalista começa a dissertar: "dos Estados Unidos da América, o nosso baixo", já não me lembro do nome, e continuou as apresentações até ao baterista, "de São Paulo, Brasil, Paulinho Curucutu, uma salva de palmas para ele!". Aplaudi, como aliás tinha aplaudido os restantes artistas. No final, não resisti e fui à saída de artistas onde várias pessoas se digladiavam para comprar CDs e obter os autógrafos dos músicos. Fiz o mesmo e dirigi-me ao Paulinho Curucutu. Estendendo o CD disse "Oi cara, vocês tocam muito bem. Fiquei surpreendido.", disse eu tentando dar uma entoação de terras de Vera Cruz às minhas palavras. Ele respondeu-me no melhor francês "Pardon. Que dites vous?!". Mas... "Vous êtes brasilien!?", disse eu entre o tom acusatório e confuso... "Moi?! Tu rigoles?! Je n'ai jamais été au Brésil.". Depois, continuou ele em francês, "Ah... as apresentações dos músicos... Isso é uma brincadeira que o vocalista faz para dar um aspecto mais convincente à nossa actuação! Desta vez fui brasileiro? Já fui argentino, colombiano e costa-riquenho... Desculpa..." Fiquei desarmado. Sabia que os poetas são uns autoassumidos mentirosos e aceites como tal pela sociedade, mas os músicos...? Não sei se está certo... No entanto, o fundamental para este artigo é que eles eram belgas e tão bons artistas que, sem hesitação, eu pensaria que eles eram naturais, crescidos e vividos nos quatro cantos do mundo que o vocalista apregoou.
Adolf Sax, o inventor do saxofone, era belga. Um dos meus guitarristas favoritos, Django Reinhardt, era belga. E dezenas de músicos que fui descobrindo em Bruxelas e em Portugal são belgas. Apesar de ser um país pequeno, a bélgica tem bons artistas em penso eu, isso resulta de uma política de educação musical que funciona. Para as crianças é relativamente fácil obter boas aulas de música por quase nada. Há, de facto, uma estratégia que privilegia as artes e, entre elas, a música. Por exemplo, as finais e meias-finais do concurso de musica clássica Rainha Elisabeth são transmitidas em directo pela televisão nacional e as finais em horário nobre. É uma estratégia que não deixa a boa cultura em segundo plano em relação às telenovelas e big-brothers, como vemos na nossa televisão portuguesa.
Uma das pérolas de Bruxelas é precisamente o Museu dos Instrumentos Musicais, um local imprescindível a quem visita a cidade. Começando pelo magnífico edifício Arte-nova e terminando na fabulosa coleção de instrumentos que podemos mesmo ouvir individualmente, tudo é extraordinário. O "Sounds", o "Jazz Station" e o "L'Archiduc" são alguns dos espaços que quase diariamente apresentam bons concertos. Desde o artista de rua, convidado a tocar nessa noite, aos melhores intérpretes internacionais, tudo é possível encontrar nestas e noutras salas.

Em qualquer final de tarde ou final de semana, nas ruas centrais de Bruxelas, temos sempre música pelo ar. Entre os cafés com música ao vivo, as salas de espectáculo ou os artistas de rua, há sempre música para nos animar ou, simplesmente, confortar. No entanto, durante o fim de semana do "Rally du Jazz", cujo nome passou a "Jazz Marathon" e agora é "Jazz Weekend", a harmonia é elevada a um nível absolutamente extraordinário. Que o digam os 300 mil visitantes que, nesse final de semana, enchem anualmente as ruas, cafés, discotecas e parques de Bruxelas.

domingo, 29 de outubro de 2017

Crónicas de Bruxelas: 5 - Parlamentar, o jogo

Jogo "Parlamentar" a ser testado.

Respeitando o conselho médico, andava eu pela cidade de Bruxelas entretido entre a obtenção do número mínimo de passos obrigatórios por dia e a esperança de ser surpreendido por qualquer coisa, algo que aqui acontece com alguma frequência. Ok, não é Paris, Londres ou Nova Iorque, mas não deixa de ter muitas pessoas, uma enorme diversidade de culturas e “boa onda”, o que é metade da receita para a surpresa. Se hoje tinha esperança, não fiquei desiludido.
Ao passar por um dos parques emblemáticos da cidade de Bruxelas, o parque que foi edificado para celebrar os cinquenta anos deste jovem país (relembro que a Bélgica tem pouco mais de 180 anos), reparei num extenso conjunto de barraquinhas. Periodicamente, há neste parque eventos que vão desde a festa medieval até à mostra de produtos portugueses, passando por quase tudo o resto. No dia de hoje, o espaço estava ocupado pelo Festival de Jogos de Bruxelas. Havia dezenas e dezenas de representações de empresas de jogos de mesa ou jogos de sociedade, conforme preferirem. Os seus nomes davam para cobrir todas as preferências, mas gostei especialmente das edições “Le Droit de Perdre”. Expressa bem o único direito que um jogador tem. O jogador pode ter o mérito de ganhar, mas tem certamente o direito de perder!
Cada uma destas empresas representava, expunha, exemplificava e vendia de um a centenas de jogos. Por todo o lado havia mesas com tabuleiros e, nas cadeiras em volta, sentavam-se amigos, famílias, conhecidos e desconhecidos e mesmo alguns autores dos jogos. O ambiente era fantástico. Desde o tradicional xadrez, passando por jogos de sensibilização ambiental, como um jogo chamado “Fotossíntese”, ou outros complicadíssimos envolvendo casas, castelos, guerreiros exemplarmente pintados em tabuleiros gigantes e que eu não percebi como se jogavam…
Na maior das barraquinhas, já com tamanho suficiente para se lhe chamar pavilhão, havia um espaço para teste de novos jogos. Os autores estavam presentes com tabuleiros, fichas e cartazes, nitidamente preliminares daquilo que um dia será um novo jogo de mesa, e desafiavam os transeuntes a experimentar o seu protótipo. Segundo me explicaram é uma situação duplamente ganhadora porque o transeunte tem uma experiência totalmente nova e os autores podem afinar as regras, os desafios ou o design dos jogos. Parei por algum tempo junto de alguns destes protótipos e testemunhei a curiosidade daqueles que se submergiam nos “novos mundos” e os apontamentos que os autores iam registando nos blocos de notas. Funcionava!

Um destes novos jogos chamava-se “Parlamenteur”. “Não é possível”, pensei para com os meus botões… “um jogo sobre o Parlamento…”, sem notar à primeira no detalhe do final do nome. Abordei um dos autores e disse-lhe que era interessante terem feito um jogo sobre parlamentares e eu trabalhar precisamente num parlamento, “não estava à espera”. O autor, embaraçado, mas, ao mesmo tempo, divertido, respondeu-me que sabia que nem todos os parlamentares eram mentirosos! Apenas aí caí em mim e reparei que o nome do jogo era um trocadilho entre as palavras francesas “parlamentar” e “mentiroso”. Ele explicou-me que o jogo se apoiava na mecânica das alianças que se formam num parlamento para formar governo e fazer passar as leis para explicar como funciona a democracia e alertar para como pode ser corrompida. “É um jogo muito pedagógico e que pretende ajudar a formar cidadãos mais informados e atentos aos detalhes do jogo político”. Os transeuntes que estavam a experimentar o jogo pareciam empenhados na vitória dos seus partidos imaginários, tentando obter as necessárias maiorias. Pelas palavras e pelos maneirismos, pareceu-me que estes jogadores já estavam a dominar a arte de cativar pela abnegação dos argumentos e pelo altruísmo dos objectivos que vou vendo no Parlamento Europeu. Espero que o jogo saia depressa e uma coisa posso garantir, vão ter um cliente!

domingo, 15 de outubro de 2017

Crónicas de Bruxelas: 4 - Encontrei a Babilónia em Bruxelas

A panóplia de línguas que ouvimos constantemente em Bruxelas é absolutamente fascinante. Tanto por aproximação à nossa língua (italiano e castelhano), pelo seu exotismo (grego e alemão) ou por as ter aprendido na escola (inglês e francês), há sete línguas que consigo identificar facilmente, mas o mesmo não acontece com as outras 17 que se falam oficialmente no Parlamento Europeu. A estas, acrescentem as línguas não oficiais, as línguas dos visitantes e os dialectos de cada comunidade e, penso eu, facilmente compreenderão porque considero que encontrei a Babilónia em Bruxelas.
Uma viagem de elevador é uma extraordinária aventura. Começamos por tentar entender a língua de quem vai conversando e, depois, tentamos, pelos gestos e pelo gracejar, entender qual será o tema em causa. Por vezes, uma expressão comum, tipo "Cristiano Ronaldo", faz-nos adivinhar o sentido da discussão. No entanto, é muito habitual não entender nem o tema nem sequer vislumbrar a língua. Tenho tentado fazer associações musicais para, pelo menos, entender qual a área europeia. Gostava de perceber se estou a ouvir romeno ou croata, maltês ou gaélico ou outras do meu grupo das exóticas como o finlandês ou húngaro. Nada feito. Continuam a existir as línguas que identifico e as outras. E as outras são mesmo muitas...
Com esta complexidade linguística, facilmente se entende que tanto os intérpretes como os tradutores são imprescindíveis em todas as instituições europeias. Resultado da complexa e dificilmente explicável organização das Instituições Europeias, os tradutores estão colocados no Luxemburgo e, por isso, pouco convivemos. Apenas damos por eles quando encontramos um ou outro erro de tradução e temos de sugerir correcções.
Já com os intérpretes é bem diferente. Eles acompanham os trabalhos onde quer que estejam os deputados europeus, tal como nós, os assistentes parlamentares. Muitas vezes, damos as intervenções antecipadamente aos intérpretes para garantir uma boa transmissão da mensagem nas diferentes línguas e é frequente entregar-lhes documentos de contexto para preparação de visitas ou debates. No entanto, onde mais se interage com os intérpretes é nas viagens de comboio entre Bruxelas e Estrasburgo, para onde nos deslocamos para participar nas sessões plenárias. Estas viagens e as conversas que se estabelecem entre nós são uma oportunidade para ficarmos a conhecer as particularidades desta profissão.
Uma das coisas que mais me fascinou foi saber que raramente os intérpretes aprendem algo durante o seu trabalho. Não, não é por serem políticos a falar... Longe disso. O que se passa, explicaram-me, é que o cérebro está demasiado ocupado a garantir a tradução e a entender o contexto para conseguir fixar a mensagem em si. Outros disseram-me que os intérpretes desenvolvem em particular a memória de curta duração. No início do período de trabalho ainda retêm alguma coisa, mas depois, com o avançar do dia, começam a não fixar nada do que se fala. Explicaram-me também que muitas das mensagens são muito pesadas do ponto de vista emotivo e que, por isso, o cérebro tem que se abstrair do significado. Sim, ponho-me a pensar, o que diria o meu cérebro se tivesse de facilitar a transmissão da mensagem xenófoba da Marine Le Pen...
Depois, explicaram-me também, é muito difícil entender todos os dialetos de certas línguas. Por exemplo, alguns dos galegos recusam-se a falar castelhano e preferem fazê-lo naquilo que anunciam como português. Estando supostamente a falar português, os intérpretes ficam condenados a ter que lidar com aquele estranho português e os participantes portugueses nas reuniões a tentar perceber o galego, já que os intérpretes portugueses não podem interpretar de alegado-português para português. É que, simplesmente, o galego não é português, por muito que os galegos o queiram... Para tentar ultrapassar estas situações, os intérpretes têm formações colectivas e, mesmo durante os debates, vão-se entreajudando. Neste caso em particular, do deputados que insistem em falar galeg... português!, os intérpretes portugueses vão auxiliando os restantes colegas.

Numa das últimas viagens de comboio conheci o chefe dos intérpretes portugueses. A seu cargo tem, entre muitas outras coisas, a definição dos intérpretes que participam em cada missão parlamentar. Segundo ele, o momento mais exigente para os intérpretes estrangeiros, que já consta nos anais das crónicas não oficiais do Parlamento Europeu, aconteceu numa visita aos Açores! Apesar das características linguísticas e fonéticas do nosso arquipélago, tudo corria bem até que... chegaram a Rabo de Peixe. Ao enfrentarem a comunidade piscatória, todos os intérpretes ficaram bloqueados, incluindo os portugueses!

domingo, 1 de outubro de 2017

Crónicas de Bruxelas: 3 - Recolha de resíduos, o ponto fraco de Bruxelas

Há uns meses atrás, na ilha das Flores, ouvi o senhor vice-presidente da Câmara Municipal das Lajes discursar durante um evento sobre o 14º Objectivo do Desenvolvimento Sustentável das Nações Unidas organizado pelo INATEL. Entre os diversos pontos que enalteciam a virtude da gestão camarária, a certo ponto, passou-se para os números. Concentrei-me. Porque os números são indicadores objectivos permitem-nos fazer um balanço justo e claro da gestão. Disse ele então que o concelho de Portugal com melhor índice de reciclagem de resíduos per capita era precisamente o das Lajes das Flores e, complementou, estava muito bem acompanhados porque no segundo lugar estava o concelho de Santa Cruz das Flores. Espectacular!
Ao ouvir estas palavras reflecti sobre a gestão de resíduos nos Açores. De facto, a planificação estratégica feita há algum tempo e a sua implementação nos últimos anos mudou radicalmente a forma como os resíduos são tratados no arquipélago. O comportamento pessoal mudou, a recolha mudou, o encaminhamento mudou e o destino final mudou. Um completo contraste com o que se passa em Bruxelas, no que se refere à recolha.
Em Bruxelas, a maioria dos resíduos domésticos e comerciais são deixados à porta de casa e das lojas em dias pré-definidos de acordo com a sua tipologia e recolhidos passadas poucas horas. Frequentemente, os sacos rompem-se e as ruas são invadidas por hordas daquilo que as pessoas não quereriam ver dentro das suas próprias casas. Nos dias com algum vento, os cartões esvoaçam rapidamente dando um aspeto caótico à cidade... De seguida, com um dispêndio que não deve ser nada baixo, aparecem umas brigadas de limpadores e varredores que tentam conter os danos. Em resumo, não há dia em que eu não apanhe qualquer coisa do chão e vá meter no caixote do lixo mais próximo. Não o faço por especial sentido cívico, mas sim porque é insuportável ver jardins tão fantásticos e ruas com extraordinárias obras de arte polvilhadas com garrafas de plástico ou guardanapos. "Chateia-me, pá..."
Será que há demasiado dinheiro para gerir esta cidade? Se houver necessidade de alguma contenção, então que se invistam em mais ecopontos e institua-se a sua utilização. A recolha porta a porta funciona em pequenas comunidades que sejam particularmente atentas e responsáveis.
Para além disso, aqui em Bruxelas há um conjunto de regras que excluem dos "amarelos", que aqui são "azuis", muitos dos plásticos. Apenas as embalagens podem ir para reciclagem. Recuso-me a cumprir, mas posso mesmo ser multado! Imagine-se isto na dita capital da Europa...

Há uns dias atrás, ao sair de casa na ilha do Faial, reparei que os vidros dos carros tinham presos nos limpa pára-brisas um panfleto de anúncio a um espectáculo de striptease. Achei curioso, até porque não era coisa que esperasse ver em plena cidade da Horta. Um jovem à minha frente, longe de achar curioso, ficou furioso pela sugestão que lhe tinham colocado no carro. Tirou o panfleto, amarrotou-o irritadamente e mandou-o para o chão. De imediato, peguei no panfleto, dobrei-o para não causar demasiado embaraço, e fui-lhe entregar dizendo "compreendo a revolta, mas não no chão." Ele, com enorme fair-play, concordou dizendo "tem toda a razão". Era o que mais faltava, voltar aos Açores e, nos poucos dias que cá estou, ver lixo pelo chão. Já basta Bruxelas!

domingo, 17 de setembro de 2017

Crónicas de Bruxelas: 2 - Verde é a cor de Bruxelas


Os belgas podem ter, como todos os povos, imensas virtudes. No entanto, se há algo que é deles e de poucos mais, é o enorme bom gosto paisagístico.
Principalmente na Primavera e no Outono, os canteiros, as ruas, os jardins, os parques e as florestas embelezam-se de uma forma que chega a ser estonteante e não estou a exagerar.
Tudo isto resulta de uma estratégia de investimento nos espaços públicos que não tem paralelo em Portugal. Os Açores são lindíssimos, mas são-no naturalmente. É uma força bruta da natureza que os torna, tanto em terra como no mar, num dos mais belos locais do planeta. Não foi necessário qualquer investimento para serem como são. Aliás, por vezes, no caso dos Açores, o melhor é mesmo não mexer... A natureza nas magníficas ilhas do médio Atlântico Norte vale por si própria.
Até por ser uma cidade, em Bruxelas não é assim. Todos os parques têm equipas de jardineiros e as florestas têm serviços próprios que garantem o cultivo e a manutenção das centenas de milhares de flores, arbustos e árvores e a promoção das condições para que nasçam musgos e cogumelos. Os parques são desenhados por habilidosos jardineiros que colocam as flores nos sítios quase perfeitos. E digo "quase" porque, no ano seguinte, conseguem encontrar uma nova combinação ainda mais extraordinária que no ano anterior. Eu vi.
Apesar de não retirar qualquer prazer da maioria dos desportos singulares, exceptuando a natação, tenho praticado corrida por obrigação de manutenção física. Todas as semanas vou até uma das florestas que ficam no limite da cidade e obrigo-me a correr durante um pedaço de tempo que postulei como suficiente. A esta corrida semanal, junto uma caminhada diária de alguns quilómetros. Penso que o meu médico estará de acordo que isto é adequado, mas o melhor é continuar a não lhe perguntar...
Mas vem esta conversa do desporto à baila por causa da paisagem. Seria praticamente impossível praticar um desporto de que não gosto se não fosse acompanhado desta deslumbrante paisagem. No Outono, o amarelecer e avermelhar das folhas das árvores torna cada vista uma autêntica pintura de fogo de artifício cromático. No final de cada percurso há uma paisagem de cortar a respiração. Isso, diga-se, no meu caso até é perigoso porque, depois de correr alguns minutos, já fico muito perto de perder totalmente o fôlego...
Pouco me estimula a correr no Inverno e no Verão. No Verão, motiva-me a esperança de que as férias cheguem e possa partir para os Açores. No Inverno é apenas o ultrapassar-me que me empurra para a frente. Correr com temperaturas negativas ou pelo meio da neve é suficientemente radical para servir de "lebre". 
Mas a Primavera é espectacular. O renascer das folhas, que vou acompanhando e registando semanalmente, as flores que se vão multiplicando e que, com o avançar da Estação, se vão substituindo são extraordinárias. Há umas flores que, com o andar do tempo, vão como que subindo pelas encostas da floresta que mais frequento! Toda esta delicadeza e beleza é acompanhada por esquilos, morganhos, ratos, doninhas, raposas, dezenas de espécies de aves e, dizem, veados e javalis (eu nunca os vi). 

No outro dia, entre o desespero da luta contra o cansaço e o tédio que é para mim correr, vi um carro dentro da "minha" floresta. Nem queria acreditar. Comecei de imediato a esbracejar e a protestar como se a "casa" fosse minha... No meu melhor francês, que não é grande coisa, preparava-me para insultar o condutor quando reparei na farda do vigilante da natureza. Oppsss! Felizmente, tal como sei alguns impropérios em francês, também sei pedir desculpa, mesmo sem quase conseguir respirar...

domingo, 3 de setembro de 2017

Crónicas de Bruxelas: 1 - Em Bruxelas, tudo bem!


Ao ler uma entrevista a uma pessoa que está a fazer um trabalho relevante em Bruxelas, deparei-me com a opinião de que as pessoas nesta cidade, ao verem os militares nas ruas, “sentem que estão em guerra”. Não podia estar mais em desacordo.
Nas memórias mais antigas que tenho, incluem-se os dias a seguir ao 25 de Abril de 1974 em Lisboa. A capital de Portugal estava, literalmente, pejada de soldados e, estes, significavam mudança, paz e liberdade. Ficou gravado na minha memória. Para mim, soldados nas ruas são, pura e simplesmente, a antítese da guerra. São esperança de mudança.
Claro, tenho que admitir, esta é apenas a minha percepção pessoal.
Passeemos um pouco por Bruxelas para ver o que aqui se passa.
Todos os dias, ao entrar e ao sair do trabalho, faço questão de cumprimentar os soldados com que me cruzo, que estão escalados para proteger as Instituições Europeias. A calma paira e o bom tempo do final de tarde conduz-nos à simpatia e placidez.
Claro que nem sempre foi assim. Nos dias a seguir aos ataques de Paris e Bruxelas, a maioria das pessoas estavam assustadas com esta nova realidade e tristes por aqueles que sofreram directa ou indirectamente com a barbárie. No entanto, apesar da dor não passar, o medo rapidamente foi substituído pela curiosidade e pela resistência. A melhor forma de lutar contra os terroristas é não sucumbir à tentação do medo. Assim foi! Apesar de algumas perdas, que com o tempo serão corrigidas, penso que o mundo civilizado ganhou amplamente este desafio. Entre as perdas contam-se os ataques aos direitos civis e à privacidade, o Brexit e a inacreditável eleição do novo Presidente norte-americano, mas o bem irá prevalecer. É apenas uma questão de tempo.
Voltemos aos soldados. Poucos dias depois do choque inicial, passou a haver uma enorme curiosidade em relação aos militares que passaram a povoar Bruxelas. A toda esta curiosidade, os soldados respondiam com uma cortesia lacónica, simpáticos, mas mantendo a distância necessária à missão.
Apenas quem não se tenha detido um minuto a ver as notícias na televisão pode confundir o que se passa em Bruxelas com qualquer guerra. É uma diferença abismal. Felizmente, nunca estive num teatro de guerra e não quero estar! No entanto, nada pode estar mais distante do que se passa por aqui. Não há dramas, não há tiros, não há gritos, não há sofrimento, nada…
Escrevo estas linhas pouco depois de mais um alerta terrorista para a zona de Bruxelas. Todos sabemos que o perigo está latente e, há poucas semanas atrás, houve um ataque felizmente frustrado precisamente pelos soldados de Bruxelas. Estes soldados-de-paz impediram mais um drama. Obrigado. A presença dos militares aconchega-nos, dá-nos segurança e serena um pouco mais o coração desta União Europeia confusa e meio perdida.
A pessoa que referi no início deste artigo é uma professora no bairro mais problemático, ou que disso tem fama, de Bruxelas, Molenbeek. Com o seu trabalho está, sem dúvida, a ajudar a fazer diferença pela positiva. No entanto, o excesso de dramatismo, numa situação que, claramente, não o tem, faz-me pensar nos oportunismos alarmistas típicos da extrema direita.
Não! Temos de ser claros. Há problemas e eles têm que ser resolvidos. Porém, sem cair num excesso de ingenuidade, considero que é pelo optimismo, pelo rigor, pela sabedoria, pela curiosidade, pela tolerância e pela alegria que conseguiremos alterar o futuro para muito melhor.
Por fim. Num qualquer parque do centro de Bruxelas olho para o lado e vejo dois soldados (andam quase sempre aos pares). Perto deles, um homem aborda uma mulher com uma conversa tão previsível e melosa quanto explícita e consequente. Olham-se com olhos grandes e bem abertos por bonitos e suaves sorrisos. Ele conserta-lhe uma madeixa do cabelo que o vento tinha empurrado para a sua face. Ela permite. Continuam a conversar com os olhos dele metidos dentro dos olhos dela e os dela perscrutando o coração dele…
Definitivamente, isto seria impossível num qualquer teatro de guerra.
Em Bruxelas, tudo bem!